Compartilhe o
nosso conteúdo
Dê a sua opinião

Trabalho

Emprego reage e pede planejamento

13 de Novembro de 2018 Gilson Aguiar
Será que chegou ao fim a crise econômica que o país vive há mais de cinco anos? Os números de geração de emprego em agosto deste ano foi a maior desde 2014, com mais de 110 mil vagas geradas em todo o país. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Agora, o final de ano promete números positivos para a geração de emprego temporário. Maringá, segundo dados do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem), deve gerar 688 empregos, 25% maior que o ano passado.

No Paraná, 54% dos empresários estão otimistas com o começo de 2019, cinco mil vagas temporárias serão abertas no Estado, segundo a Fecomércio.

Já, segundo dados do Sindicato dos Lojistas do Comércio e do Comércio Varejista de Maringá e Região (Sivamar), 70% dos trabalhadores temporários devem começar 2019 com carteira assinada, efetivados.

Os dados são positivos. Demonstram que o ambiente da economia está mudando. Pelo menos a expectativa e a esperança de que 2019 deixe para traz a crise econômica é fundamental.

Contudo, temos que aprender que se economia tem seus ciclos de altos e baixos, temos que aprender a conviver com tempos de incerteza nos planejando e gerando qualificação para enfrentarmos um mercado cada vez mais competitivo.

Não acreditar que há uma eternidade na bonança. Os tempos de “vacas gordas” e pleno emprego passam. Assim como não há felicidade como sentimento pleno. Logo, prevenir é a melhor ação para quem deseja enfrentar o futuro. Para não se perder a esperança e se garantir o trabalho.
seta-top